Quantos advogados estão preparados para o futuro

Quantos advogados estão realmente preparados para o futuro?

A pesquisa  Future Ready Lawyer: Performance Drivers and Change in the Legal Sector apontou que apenas 1/3 [um terço] dos advogados está realmente preparado para o futuro. Mas quem investe em inovação ganha.

Os advogados estão prontos para o desafio tecnológico e digital?

Os advogados e seus serviços prestados devem adentrar no mundo tecnológico, o que vem configurando uma tendência nos últimos anos. Uma parcela significativa dos advogados estarão equipados e dotados de ferramentas tecnológicas capazes de dar respostas eficazes às novas necessidades da profissão e dos clientes.

Mas quantos estão prontos para o desafio tecnológico e digital?

A importância da satisfação do cliente, que já é um dos aspectos mais críticos do sucesso do escritório de advocacia, se intensificará ainda mais à medida que os escritórios se esforçam para se diferenciar dos concorrentes tradicionais e novos e agregar maior valor, ao mesmo tempo que os clientes podem procurar gastar menos e fazer mais em casa. Nesse sentido, a capacidade de usar a tecnologia para otimizar o desempenho será mais importante do que nunca.

Para alguns negócios, a crise revelou vulnerabilidades; para outros, mostrou pontos fortes, mas o aprendizado é o mesmo. A crise cristalizou que as soluções de tecnologia, incluindo soluções de tecnologia jurídica que permitem trabalhar a qualquer hora e em qualquer lugar, são fundamentais para a continuidade dos negócios.

A pandemia talvez estabelecerá uma base para tecnologias “obrigatórias” para manter um negócio legal operacional. Mas, à medida que o setor jurídico avança, o foco estará nos recursos que podem ajudar uma organização a prosperar no novo cenário jurídico.

Para entendermos as futuras tendências em curso no avanço da tecnologia jurídica, no ano de 2020 a Wolters Kluwer Legal & Regulatory, empresa independente e especialista global em análises e soluções tecnológicas, conduziu uma pesquisa com 700 profissionais  da Europa e EUA que atuavam em escritórios de advocacia.

A pesquisa intitulada Future Ready Lawyer: Performance Drivers and Change in the Legal Sector mapeou a situação atual, as prioridades e os investimentos em tecnologias e suas vantagens para os advogados e clientes.

Tendências

A pesquisa revelou que existe, independente do porte dos escritórios do ramo jurídico, uma consciência clara da importância da tecnologia como fator chave para abrir as portas do futuro nos escritórios de advocacia. 

Embora a conscientização seja generalizada, a pesquisa revelou uma série de lacunas no conhecimento, nas expectativas, na experiência e nas capacidades – dentro e entre os escritórios de advocacia e departamentos jurídicos corporativos – que inibem o desempenho e o avanço da tecnologia.

Os advogados preveem uma série de tendências que irão impactar suas organizações nos próximos anos, e a tecnologia está no topo da lista. As principais tendências que devem ter o maior impacto são: 

  • Reconhecem e acreditam no aumento da importância da tecnologia jurídica – 76%
  • Atendimento  expectativas de mudança dos clientes / lideranças – 74% 
  • Ênfase na melhoria de eficiência / produtividade – 73%
  • Capacidade de adquirir e reter talentos – 73%
  • Enfrentamento do desafio de lidar com elevado volume e complexidade das informações – 72%

No entanto, analisando todas as tendências indicadas pelo relatório, há uma lacuna significativa quanto a estar preparada para enfrentá-las. Menos de um terço dos entrevistados relatou que estava muito bem habilitado a lidar com qualquer uma das tendências.

Muito embora a importância crescente da tecnologia jurídica configure a principal tendência (76%), apenas 28% dos entrevistados reconheceram estar realmente preparados para o mundo novo da tecnologia nos seus escritórios de advocacia. 

Então surge a pergunta: Por que os escritórios jurídicos parecem tão despreparados?

As dificuldades de gestão das mudanças e a resistência da liderança à tecnologia, alusão que se faz a um certo grau de tecnofobia, são apontados como as maiores barreiras ao avanço da tecnologia jurídica tanto para:

  • os departamentos jurídicos empresariais (65%)
  • quanto para os escritórios de advocacia (53%)

Relacionamento cliente-empresa

A pesquisa revelou lacunas muito relevantes entre as expectativas dos departamentos jurídicos das empresas e a capacidade e agilidade dos escritórios de advocacia para atendê-las. Por exemplo, 79% dos departamentos jurídicos informaram que é importante para seus negócios que os escritórios de advocacia com os quais trabalham demonstrem eficiência e produtividade, enquanto apenas 28% descrevem que seu atual escritório lhes atende muito bem nesses quesitos.

Esta desconexão também se revelou um padrão pôde ser observado para outras categorias avaliadas dessa relação e, sim, afeta os níveis de satisfação dos clientes. O estudo indicou que apenas 26% dos departamentos corporativos estão muito satisfeitos com seu escritório de advocacia atual.

As descobertas deixam claro que, cada vez mais, o uso da tecnologia é fundamental para que as empresas atendam às expectativas dos clientes. Os departamentos corporativos, inclusive os jurídicos, diante da necessidade de melhorar a produtividade e a eficiência, têm se voltado para a tecnologia de forma mais agressiva, as demandas aumentam a cada dia e, portanto, pressionam os escritórios de advocacia que lhes prestam serviços a fazer o mesmo.

Para o período entre 2020 e 2023, 81% dos departamentos corporativos que demandam serviços jurídicos informaram que exigirão dos seus escritórios de advocacia que demonstrem quais estão sendo e quais serão os avanços tecnológicos projetados para incrementar produtividade e eficiência – atualmente, quase o dobro dessa taxa (41%) já estão atentos e solicitam isso.

O Departamento Jurídico Corporativo em Transformação

Em atenção às tendências demandadas pelos departamentos jurídicos corporativos, os entrevistados disseram que suas principais prioridades 2020-2023 serão: 

Quando solicitados a identificar as maiores transformações que esperam pela frente, 82% informaram que desejam um uso intensivo da tecnologia em prol da produtividade. Com o avanço na tecnologia, a lacuna de conhecimento e preparação se torna mais aguda na medida que tratamos de tecnologias transformacionais.

Big Data e Análise Preditiva são as tecnologias transformacionais que 67% dos departamentos jurídicos corporativos esperam empreender nos próximos três anos, mas apenas 25% realmente entendem essas tecnologias muito bem. 

O escritório de advocacia em transformação

A transformação está em andamento no ambiente dos escritórios de advocacia, à medida que as empresas enfrentam cada vez mais a concorrência de prestadores de serviços jurídicos alternativos, e até dos próprios clientes que absorvem certos serviços. Para garantir que continuem buscando atender às expectativas dos clientes, 67% dos escritórios de advocacia revelaram que estão investindo em novas tecnologias para apoiar as operações da empresa e as demandas de trabalho dos clientes.

Dada a crescente importância da tecnologia jurídica, não é surpresa que os escritórios de advocacia planejem investir mais: 60% planejam aumentar seu investimento em tecnologia nos próximos três anos. No entanto, apenas 29% acreditam que estão muito preparados quando se trata de noções básicas sobre as soluções de tecnologia disponíveis;

27% estão muito preparados para usar a tecnologia para ser mais produtivo; 26% estão muito preparados para usar tecnologia para melhorar o atendimento ao cliente; e 24% afirmam que sua equipe é capaz de aproveitar a tecnologia de maneira eficaz. Em termos de tecnologia de maior impacto nos próximos três anos, 59% citam Inteligência Artificial, mas apenas 22% a entendem muito bem. 

A vanguarda em tecnologia continua para o advogado preparado para o futuro

A crise tem pressionado os profissionais jurídicos a acelerar o uso de soluções de tecnologia. É verdade, porém, que muitos profissionais já estavam nesse caminho de transformação, com diferentes atores movendo-se em ritmos distintos.

A pesquisa anterior Future Ready Lawyer conduzida em 2019, descobriu que os líderes de tecnologia – aqueles que alavancaram totalmente a tecnologia – superaram, em geral, as organizações que não estavam aproveitando totalmente a tecnologia. Em 2020, essas descobertas foram confirmadas. 

Entre as empresas, 62% dos líderes de tecnologia relataram que sua lucratividade aumentou em relação ao ano anterior, em comparação com 39% das empresas em transição. Além disso, em todas as áreas de preparação relacionadas à tecnologia, pessoal, organização e foco no cliente, os Líderes de Tecnologia também superaram as organizações com menor uso de tecnologia.


Gostou deste conteúdo? Assine a nossa newsletter e receba conteúdos atualizados sobre o setor jurídico, automação e tecnologia diretamente na sua caixa de email.

 

 

Related Post
COVID-19: o ponto de inflexão para a tecnologia nas empresas

Na luta contra as consequências da pandemia da Covid-19, as tecnologias digitais estão se tornando cada vez mais importantes. Sem Leia mais

Transformação Digital do RH: guia completo para sua empresa

Neste guia básico sobre transformação digital, examinamos o que é RH digital, quais os benefícios e como viabilizar essa transformação Leia mais

  • Readers Rating
  • Rated 5 stars
    5 / 5 (1 )
  • Your Rating


No Comments

Post A Comment